9-11 de junho

2021

Português

CHAMADA DE TRABALHOS

Convidamos pesquisadores de todas as áreas para submissão de resumos para a II Conferência Internacional de Pesquisa em Sonoridades – CIPS a se realizar online entre 9 e 11 de junho de 2021. Assim como em sua primeira edição, a II CIPS pretende promover a integração de diferentes campos do conhecimento relacionados ao som e às práticas sonoras.

O tema desta edição será “Sonoridades Fronteiriças”, que enfatiza as diferentes relações entre elementos sonoros/musicais assimilados e sedimentados nos variados contextos sociais, políticos e históricos, bem como aqueles que, por motivos diversos, são excluídos ou considerados secundários no atual modelo globalizado de produção e circulação midiática.

Os seis grupos de trabalho (GTs) propostos (abaixo) procuram abranger diferentes tópicos, desde a relação entre sons e espaços, aos diferentes usos de tecnologias, observados a partir de perspectivas decoloniais, feministas, não humanistas etc.

Esta edição será, excepcionalmente, realizada online, por conta das atuais condições mundiais de saúde. Cada um dos GTs apresentados abaixo foi proposto e será organizado por pesquisadores colaboradores de diferentes instituições no Brasil, em Portugal e no Canadá.

Acompanhe nossas próximas circulares para mais informações sobre como os trabalhos serão apresentados, uma vez que o evento é trilíngue.

Em breve também publicaremos a chamada para trabalhos criativos, como na primeira edição, mas que, desta vez, serão adaptados ao formato online.

 

SUBMISSÃO DE RESUMOS

 

Os resumos devem ser submetidos até o dia 31 de março para o email cips.sonoridades@gmail.com nos formatos .doc (ou .docx), informando no assunto do email “II CIPS”, seguido do GT pretendido (a indicação do GT no campo “assunto” é obrigatória).

O texto deve estar formatado em fonte Times New Roman, Corpo 12, espaçamento 1,5. No documento, deve constar, nesta ordem:

  • Título da proposta;

  • Autor(es), seus respectivos e-mails e filiação institucional (ou atividade principal);

  • Resumo de até 500 palavras;

  • Três a cinco palavras-chave;

  • GT pretendido.

Os resumos podem ser enviados em português, espanhol ou inglês. Alguns GTs realizarão a moderação em apenas dois desses idiomas, mas isso está indicado na descrição do grupo.

Visite o site www.sonoridades.net ou acompanhe nossas próximas circulares para mais informações.

 

DESCRIÇÃO DOS GTs

 

 

GT 1: SONS, TECNOLOGIAS E DECOLONIALIDADE

Coordenação: José Cláudio Castanheira (UFSC) & Melina Santos (PUC-RS)

 

Este GT acolhe trabalhos que reflitam sobre as diversas instâncias da produção-circulação sonora/musical  a partir de uma perspectiva decolonial. O projeto teórico decolonialidade propõe um olhar crítico sobre as formas hegemônicas de produção de conhecimento e de opressão de identidades, de etnias, de gênero, de divisão do trabalho e da organização da cultura que partiram de construções coloniais do pensamento europeu-americano-centrado. As interações entre todos estes processos constituem as sociedades, as culturas e a conjuntura da globalização, do capitalismo e do acesso ou restrição aos meios tecnológicos.

Em relação aos diferentes ambientes tecnológicos, as lógicas de gravação e/ou de produção musical em estúdios, os parâmetros de fabricação de instrumentos musicais, o uso generalizado de softwares de edição de áudio e a forma como se dá o acesso e o controle de tal infraestrutura estão dentro de uma dinâmica que poderíamos chamar de “tecnocolonialismo”.

Desta maneira, o GT Sons, Tecnologias e Decolonialidade propõe um diálogo entre abordagens que tensionam as desigualdades de classe, de gênero ou de raça presentes nas manifestações sonoras/musicais, nas condições e ambientes tecnológicos em que acesso e domínio sobre estruturas de produção e circulação também são um fator determinante.

Algumas possíveis abordagens (que não devem ser vistas como únicas) são:

  • Relações interseccionais na produção, circulação e no consumo musical.

  • Usos, acessos e relações de poder implícitos em dispositivos e discursos tecnológicos.

  • Estruturas formais (teorias, noções classificatórias como “gênero”, herança cultural e patrimônio musical etc.) e modelos de escuta.

  • Tensões entre multiculturalismo e a indústria fonográfica.

 

 

 

GT 2: SONORIDADES-ESPACIALIDADES

Coordenação: Dulce Mazer (UFRGS) & Pedro Marra (UFES/UFOP)

 

Da união entre “acústica” e “epistemologia”, Steven Feld propõe na década de 1980 o conceito de “acustemologia”, a fim de pensar a escuta geograficamente localizada como forma de conhecimento do espaço e das relações entre os seres humanos e não humanos que o habitam. Os sons, incluídos aí a música, são compreendidos como mediadores entre esses agentes, lugares e formas de conhecimento. Por ocuparem espaços com seu peso, tamanho e direcionalidade, são modulados nas práticas que produzem, compartilham, loteiam ou disputam o lugar. É nesse sentido que a música pode ser mobilizada por um bar ou cafeteria para a criação de uma ambiência ou atmosfera, um espaço afetivo, portanto, que favorece a sociabilidade que aí se desenrola. É assim também que os sons humanos, animais ou naturais que habitam um local delimitam suas fronteiras, ou que deficientes visuais se ecolocalizam no espaço público urbano e percebem que chegaram a seu destino.

Torna-se claro, então, que para além da dimensão temporal que costuma-se atribuir prioritariamente ao âmbito do sonoro, o mundo audível apresenta também uma dimensão espacial que reverbera superfícies, distâncias e volumes. Acrescente-se também a possibilidade de capturar o movimento e os ritmos que animam a vida social no local por meio dos sons que ali ressoam. As tecnologias, instrumentações, artefatos e aparelhos auditivos, sonoros e de áudio, ampliam as possibilidades da experiência auditiva humana e moldam nossa compreensão do ambiente natural que nos circunda.

O grupo de trabalho Sonoridades-espacialidades busca abordar tais questões de maneira abrangente a fim de abrigar trabalhos que mobilizem perspectivas teóricas e metodológicas variadas para abordar sonoridades, espaços e lugares diversos. De tal forma, serão aceitas investigações que lidem com as seguintes questões, mas não apenas:

  • Sonoridades e produção do lugar, de seus sentidos e afetos.

  • Som, ocupação e disputa política do espaço.

  • Sonoridades e territorialidades.

  • Deficiências, capacitismos e ecolocalização.

  • Relações ecológicas e inter-especies por meio do som.

 

 

 

GT 3: FRONTEIRAS E NOMADISMOS DO SOM

Coordenação: Camila Proto (PUC-RJ), Cássio de Borba Lucas (UFRGS), Marcelo B. Conter (IFRS) & Mario Arruda (UFRGS)

 

O que pode a fronteira? Como ela se estabelece? Irredutível à divisória estática de um muro duro, a margem de um território é também a de uma linha mole, ou mesmo de um córrego de lava que com seu fluxo produz múltiplas margens… A fronteira pressupõe fechamentos e nomadismos. Ela tem agência, situando-se de modo a operar traduções e irritações para as estruturas que ela pretende proteger. Podem ser fronteiras sônicas; fronteiras que traduzem sons; sons que agem como ou nas fronteiras. Nessa perspectiva, propomos pensar: o que produz a fronteira e o que a fronteira produz? Pensar as fronteiras como lugares móveis, em constante deslocamento, atravessadas por corpos em viagem, signos flutuantes e sons nômades. Sons nômades são aqueles que vagam aquém e além dos territórios existentes, que rompem com as fronteiras e as tornam porosas, no seu próprio movimento de ultrapassar. Estes sons são conjuntos de relações singulares que extrapolam topologias sonoras fixadas em gêneros e identidades musicais disponíveis. Afinal, os sons desafiam fronteiras, como expressões e desejos em sobrevoo violento, inventando territórios movediços de signos e afetos.

Este GT pretende-se transdisciplinar e aceita trabalhos que problematizam os sons como fronteiras e as fronteiras como sons, buscando considerar seus territórios como cartografias que dinamizam as potências e os sentidos do sonoro pelas seguintes abordagens (não exclusivas) e objetivos:

  • Enfatizar as operações de fronteiras semióticas que se traçam nas processualidades sônicas cotidianas e que informam a plasticidade das escutas musicais (semióticas pragmaticista, discursiva, tradutória e sistêmica).

  • Diagramatizar as máquinas de fronteira que estabelecem relações tradutórias entre sistemas significantes e a-significantes do som (maquinismos e mecanosfera).

  • Descrever a lógica afetiva que ora conjumina, ora interdita as conexões aberrantes entre atores humanos e não-humanos, ruídos caóticos e sons codificados (virada afetiva).

  • Refletir sobre as fronteiras sônicas como expressões atualizadas e virtuais de processos de diferenciação (filosofia da diferença).

  • Compreender nomadismos sonoros pela perspectiva das teorias das mídias, das materialidades e da noção de Arquivo (arqueologias do saber).

  • Investigar fenômenos midiáticos e artísticos em função dos espectros que reterritorializam e desconstroem fronteiras sonoras (hauntology).

 

 

 

GT 4: SONO-SORO[RIDADES]: INTERVENÇÕES FEMINISTAS NA ARTE SONORA

Organizadoras: Gabriela Aceves Sepúlveda (Simon Fraser University), Freya Zinovieff (Simon Fraser University)  & Amanda Gutiérrez (Concordia University)

 

Partindo do conceito de sororidade de Marcela Lagarde (2006), compreendido como uma dimensão não-binária, ética, política e prática do(s) feminismo(s) contemporâneo(s), neste GT, consideramos sono-soro[ridades] como um marco crítico para investigar dimensões sônicas do patriarcado.  Como uma intervenção feminista nos arquivos da arte sonora, sono-soro[ridades] busca tornar visível os entrecruzamentos entre o som e as construções sociais de gênero destacando o potencial do som para desvelar e tornar audíveis as dinâmicas de poder em que a violência de gênero e a exclusão se perpetuam. Neste GT, buscamos escutar como soam e se escutam as sono-soro[ridades] e explorar seu potencial político para criar futuros não-excludentes, assim como ressonificar passados e presentes mais inclusivos. Para tanto, convidamos apresentações de trabalhos de investigação histórica, teórica e de investigação-criação que tornem visíveis as contribuições de mulheres e artistas LGBTQ na arte sonora, incluindo (mas não limitado a) composição, invenção tecnológica, artes midiáticas, produções de rádio e podcast, bem como outros projetos que abriram, criaram e disseminaram espaços feministas e independentes para a produção sonora ao redor do mundo. Aceitamos trabalhos em espanhol, inglês e português, mas o painel será moderado em espanhol e inglês.

 

 

 

GT 5: SOM E MÚSICA NAS CULTURAS DIGITAIS

Coordenação Paula Gomes-Ribeiro (CESEM-NOVA de Lisboa) & João Francisco Porfírio (CESEM-NOVA de Lisboa)

 

É um argumento comum que, junto com a globalização da economia, os meios digitais contribuíram sensivelmente para o crescimento de um modelo transnacional de circulação de bens culturais. A vulgarização e expansão da Internet e de equipamentos e formatos de escuta móvel, bem como dinamização da inteligência artificial ao serviço da produção e disseminação do som e da música, têm transformado os sistemas de produção, distribuição e consumo musical e sonoro de modo particularmente veloz. Estas transformações têm tido ainda mais expressão na recente situação de pandemia e confinamento.

Por ser indispensável observar crítica e detalhadamente o comportamento de formatos e modelos culturais, fenômenos, agentes e comunidades, no contexto das redes e sistemas de comunicação que os enquadram e estruturam, convida-se a submissão de trabalhos que investiguem práticas, discursos e conteúdos sonoros, musicais e audiovisuais na paisagem digital da contemporaneidade. Serão aceitos trabalhos que problematizem as múltiplas relações entre som, música e o ciberespaço como elementos essenciais de produção de cultura nos nossos dias.

Este GT abrange fenômenos como: a produção e disponibilização de playlists em espaços como o Spotify; a proliferação de vídeos associados a grandes editoras ou em modalidade DIY; a partilha e discussão de música e discursos sobre gostos musicais nos social media;  a intensa expansão do streaming de todo o tipo de espetáculos; a multiplicidade de comunidades online de apreciação, partilha (e por vezes coprodução) de subgéneros musicais e outras manifestações sonoras; os usos de música e som numa diversidade de produtos como por exemplo audiovisuais disponibilizados no Instagram, Facebook ou Tik Tok; o modo como a inteligência artificial é utilizada por empresas e outras entidades na condução das escolhas de música e paisagens sonoras personalizadas no quotidiano, entre outras temáticas. Aceitamos resumos em português, espanhol e inglês, mas o painel será moderado em português e inglês.

 

 

 

GT 6: ONDE ESTÁ O OUTRO? EPISTEMOLOGIAS DO SOM E IMAGINAÇÕES SÔNICAS

Coordenação: Thaís Aragão (UFC), Rui Chaves (UFPB), Juliana Carla Bastos (UFPB) & Henrique Souza Lima (USP)

 

Conhecer o som, conhecer com o som: estes dois modos epistêmicos são parte de um leitmotiv de pesquisa em constante expansão (i.e., estudos do som), buscando estabelecer bases necessárias para novos conceitos e abordagens metodológicas. Como esse conhecimento está sendo feito, especialmente em relação ou resposta ao “outro” axiológico em pesquisa? Que ferramentas conceituais vêm sendo desenvolvidas e usadas na transformação do som em objeto de estudo? Se quem observa constitui o que está sob observação, saber quem são as pessoas, que lugar elas ocupam e que tempo elas vivem são dados importantes para pensarmos sobre como estamos construindo o próprio saber sobre o som, e sua pertinência dentro da ecologia dos saberes. Evocamos aqui a ideia de imaginações sônicas: um pensamento plural, capaz de nos permitir experimentar outras perspectivas ou mesmo criar novas. Como aquele que observa ou discute engloba o outro (humano ou não humano) sendo observado dentro de um paradigma relacional e locacional? Gostaríamos de convocar a possibilidade de fabulações críticas ou imaginações sônicas e abordagens conceptuais orientadas para o pensamento intersubjetivo, multivocal e não essencialista, em que o som como objeto de estudo se enrede em ecologias de conhecimento, oferecendo perspectivas únicas a partir do Sul Global.

Merecem atento debate ricas práticas sonoras que, mesmo desenvolvidas em meio a condições socioeconômicas precárias, trazem implicações micro e macropolíticas relevantes. Assim, é necessária uma visão crítica instigada por abordagens imaginativas e especulativas, capaz de apontar limitações nas epistemologias sonoras mais correntes e oferecer novas perspectivas. A partir deste marco, incentivamos a submissão de propostas que enfatizam interrogações e proposições sobre aspectos teórico-metodológicos da pesquisa em som, desde seu próprio estatuto de objeto epistêmico aos desenhos metodológicos das investigações em curso:

  • Conceitos de meio/medium/mídia/media, ruído e materialidade em interface com o som;

  • Revisões de aspectos epistêmicos da e na ecologia acústica: do enquadramento proposto pela paisagem sonora ao dinamismo inerente ao som;

  • Discussões metodológicas no campo da etnografia que ativam o som como modo de conhecimento, com ênfase particular na contestação de modelos de objetividade científica;

  • Ficção sônica como método de pesquisa: outros pontos de escuta, especulação e produção de conhecimento e história(s) sonoras fora de epistemes (neo)colonialistas;

  • Pode o subalterno ter agência sônica? Descrição de pesquisas artísticas que amplificam formas esquecidas de expressão cultural e resistência sonoras;

  • O “arquivo” insurgente: redefinindo patrimônio sonoro, construindo cartografias pós-representacionais e oferecendo descrições polifônicas de sociedades cosmopolitas;

  • Filosofias sônicas do Sul Global: outros modos de ativar a filosofia para pensar os sons;

  • A exploração do trabalho e de recursos naturais: o elo perdido nos estudos do som.